Projetos de pesquisa em andamento

Acesso a área restrita.

Entre para cadastrar ou atualizar seus projetos de pesquisa ou submeter novas solicitações de apoio a projetos.
Obter nova senha - Receber nome de usuário por e-mail - Criar uma conta

Projeto de pesquisa


  • Proteoma do veneno de uma espécie de Ectopleura (Cnidaria: Hydrozoa)
     

     
  • Coordenador do projeto: Antonio Carlos Marques  
  • Autor ou executor principal do projeto: Luíza Sandoval Perin  
  • Número do projeto: 957  
  • Categoria: Iniciação científica 
  • Data de início das atividades no CEBIMar: 12/07/2017  
  • Data de término das atividades no CEBIMar: 31/12/2018  
  • Resumo: Os cnidários são um filo diverso com cerca de 13.500 espécies, eles constituem o grupo mais antigo de animais venenosos, com origem Neoproterozoica, há ~635 milhões de anos. Talvez uma parte significante da diversificação dos cnidários possa ser atribuída a essa produção de veneno, constituindo um mediador essencial na interação com presas e predadores, diversos e morfologicamente mais complexos. O veneno, dos cnidários, é uma mistura de peptídeos, proteínas e outros componentes que podem causar morte  celular via lise osmótica e atuar sobre canais iônicos, chegando a efeitos letais sobre os organismos. Recentemente, pesquisas sobre venenos foram revolucionadas com abordagens da biologia de sistemas, principalmente com o uso da transcriptômica e proteômica. Porém, diferente de outras linhagens venenosas, há poucos estudos sob a composição do veneno em cnidários.
    Cnidaria está atualmente dividido em dois subfilos, Anthozoa e Medusozoa (Scyphozoa, Hydrozoa, Cuboza e Staurozoa). A sinapomorfia que define Cnidaria é a presença de cnidas, organelas especializadas capazes de descarregar seu conteúdo interno mediante a ativação dos cnidócitos por estímulos externos, mecânicos ou químicos.  Apesar de sua ampla diversidade, os hidrozoários são o grupo menos estudados do ponto de vista da composição de seu veneno. O estudo dos venenos desta classe é importante, não apenas pelo risco que eles apresentam aos seres humanos, mas também pela possibilidade de novas descobertas de moléculas tóxicas e para possibilitar uma melhor compreensão sobre a evolução do veneno nos cnidários.
     
  • Metodologia: Inicialmente, procederemos um levantamento faunístico das espécies de Ectopleura disponíveis no Canal de São Sebastião. As candidatas a serem trabalhadas são Ectopleura obypa e Ectopleura crocea. Após a constatação de haver populações de fato disponíveis, procederemos a coleta, manualmente, de ao menos 40 indivíduos, e o material será trazido para o Centro de Biologia Marinha da Universidade de São Paulo (CEBIMar-USP), onde os pólipos serão triados e limpos sob estereomicroscópio. Parte do material será então preservado em solução de formalina a 10% (para material testemunho), parte em etanol >90%, parte em RNA Later (QIAGEN®), e parte congelada em ultrafreezer a -80oC. Por fim, outra parte destes animais serão também transferidos vivos para o Laboratório de Evolução Marinha do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, onde deverão ser mantidos em aquário
    O proteoma será obtido seguindo-se protocolos estabelecidos por nosso grupo de pesquisa. Os dados da espectrometria de massas serão analisados por protocolos de bioinformática igualmente já utilizados por nosso grupo de pesquisa, visando à obtenção do fenótipo do veneno, viz., as listas de proteínas que são expressas. A obtenção do proteoma será realizada no centro de facilidades e apoio à pesquisa da Universidade de São Paulo (CEFAP-USP). 
     
  • Etapas e cronograma:  No primeiro trimestre será realizada as etapas de levantamento bibliográfico, levantamento  in loco e coleta do material.
    No segundo trimestre será realizada a etapa de obtenção do proteoma.
    No terceiro trimestre ocorrerá a etapa de análise dos dados do proteoma.
    No quarto trimestre será realizado a confecção do documento.
     
  • Palavras-chave: cnida, veneno, Hydrozoa  
  • Condições ambientais: Nenhuma condição especial ;   
  • Área necessária no laboratório: bancada linear com 2 m para trabalho. 
  • Equipamentos de laboratório: Estereomicroscópio, microscópio e espaço no Ultrafreezer para manutenção durante a estada. 
  • Será necessário: Montagem de alguma estrutura (estantes, aquários etc) ;  Auxílio técnico para coleta de organismos ou observações de campo ;   

  • Outros serviços de laboratório: Não há 
  • Organismos a serem coletados: Organismos da espécie Ectopleura, que dependendo da disponibilidade poderá ser a Ectopleura obypa ou Ectopleura crocea. 
  • Locais para coleta: Cabelo Gordo e superfície das boias que forem recolhidas para manutenção 
  • Tipos de resíduos químicos e/ou infectantes a serem gerados durante o projeto: Não há. 
  • Quantidade de cada tipo de resíduo: Não há.
  • Periodicidade aproximada da geração dos resíduo: Não há.
  • Instituição(ções) de origem do projeto:

    • USP. Instituto de Biociências   
     
  • Participante(s) do projeto:

    • Nome: Adalberto Pessoa Júnior  
    • Função no projeto: Outra função 
    • Início das atividades no projeto: 30/06/2017  
    • Fim das atividades no projeto: 14/07/2017  
    • Nome: Adrian Jose Jaimes Becerra  
    • Função no projeto: Co-orientador 
    • Início das atividades no projeto: 01/01/2017  
    • Fim das atividades no projeto: 14/07/2017  
    • Nome: Paul Long  
    • Função no projeto: Outra função 
    • Início das atividades no projeto: 30/06/2017  
    • Fim das atividades no projeto: 14/07/2017  
     
  • Recurso(s) destinado(s) ao projeto:

    • Situação: Solicitado 
    • Agência de fomento: CNPq 
    • Tipo de recurso: Bolsa 
    • Especificar o tipo de recurso: PIBIC 
    • Recursos em nome de: Antonio Carlos Marques 
     

    Produção(ões) bibliográfica(s) gerada(s) pelo projeto:

    Total de produções bibliográficas: 0


  • Data de cadastro do projeto: 31/03/2017  
  • Data da última modificação: 11/08/2017  
Joomla 1.6 Templates designed by Joomla Hosting Reviews