Projetos de pesquisa em andamento

Acesso a área restrita.

Entre para cadastrar ou atualizar seus projetos de pesquisa ou submeter novas solicitações de apoio a projetos.
Obter nova senha - Receber nome de usuário por e-mail - Criar uma conta

Projeto de pesquisa


  • Holobioma das esponjas marinhas, efeitos das mudanças climáticas e potenciais biotecnológicos: uma abordagem holística e multidisciplinar

     
  • Coordenador do projeto: Cristiane Cassiolato Pires Hardoim  
  • Autor ou executor principal do projeto: Cristiane Cassiolato Pires Hardoim  
  • Número do projeto: 1010  
  • Categoria: Outra categoria 
  • Outra categoria: Auxílio Jovem Pesquisador 
  • Data de início das atividades no CEBIMar: 07/01/2019  
  • Data de término das atividades no CEBIMar: 30/06/2021  
  • Resumo: As esponjas marinhas abrigam abundantes e diversas comunidades bacterianas com as quais estabelecem complexas interações e são capazes de auxiliar o hospedeiro no crescimento e desenvolvimento. Vários compostos bioativos isolados destes animais são, na verdade, sintetizados pelas comunidades microbianas associadas. Entretanto, a diversidade das comunidades de arquéia e eucaria associadas às esponjas ainda são pouco conhecidas. As esponjas também estão sujeitas efeitos das mudanças climáticas. Esponjas presentesno litoral paulista serão investigadas neste projeto usando abordagens ecológicas, microbiológicas e biotecnológicas. Será determinado se o fator descendente controla o crescimento das esponjas na costa paulista. Métodos dependentes e independentes de cultivo serão utilizados para investigar as comunidades microbianas associadas às esponjas. As espécies de esponjas serão coletadas juntamente com a água do mar e sedimento para verificar a especificidade das comunidades microbianas associadas. Os efeitos das temperaturas previstas em cenários futuros de mudanças climáticas na comunidade procariótica e no hospedeiro serão investigados através das análises de metagenoma e metatranscriptoma. O acompanhamento in situ permitirá avaliar a estabilidade temporal da comunidade procariótica associada às espécies de esponjas. Os potenciais biotecnológicos das bactérias isoladas das espécies de esponjas serão avaliados quanto a produção de substâncias antimicrobianas e anticâncer. Assim, a pergunta deste projeto é acessar a biodiversidade e a funcionalidade do holobioma das esponjas marinhas do litoral paulista. 
     
  • Metodologia: O projeto é dividido em diversas partes. Na primeira parte, as esponjas marinhas serão coletadas juntamente com água do mar e sedimento. Partes internas das esponjas serão removidas e o DNA será extraído. A água do mar será filtrada e o DNA será extraído do filtro, enquanto o sedimento será peneirado e uma alíquota será utilizado para a extração de DNA. O DNA das esponjas, água do mar e sedimento serão submetidos para o sequenciamento com a plataforma Illumina para acessar as comunidades microbianas e as sequências processadas com os softwares QIIME e Mothur. Na segunda faseduas espécies de esponjas serão coletadas nas quatro estações do ano. A extração de DNA, sequenciamento com a plataforma Illumina e processamento serão realizados como descrito acima.Na terceira etapauma espécie de esponja será escolhida para cultivo. As espécimens aclimatizadas serão submetidas as condições controle e a temperaturas 1.86 e 4.49°C acima datemperatura ambiente da água do mar que será monitorada nos dois primeiros anos deste projeto. Essas temperaturas foram escolhidas por serem previstas pelo IPCC como cenários de mudanças climáticas para 2050 e 2100, respectivamente. Na quarta faseserá determinado se os fatores descendentes controlam as comunidades de esponjas. Metade dos indivíduos encontrados serão encerrados em gaiolas evitando assim a predação, enquanto a outra metade será mantida fora de gaiolas e disponível para os predadores. Um vez por mês durante um ano esses indivíduos serão monitorados e fotografados para identificação de marcas no corpo de esponjas.
     
  • Etapas e cronograma: O ideal seria que a primeira amostragem ocorresse ainda em Janeiro de 2019 para cumprir a primeira parte do projeto e iniciar o trabalho temporal. Em fevereiro de 2019 coletaremos no máximo quatro espécies de esponjas para tentar manter em aquário. Para 2019, as coletas de 1 ou 2 espécies de esponjas devem ocorrer uma vez (i) no outono, (ii) no inverno e (iii) na primavera. As amostragens para os anos seguintes irão depender dos resultados gerados durante 2019. Durante a primavera de 2019 e verão de 2020, iniciaremos o trabalho sobre os fatores que controlam as comunidades de esponjas, porém as espécies e local ainda serão selecionados com base nas primeiras amostragens.
     

     
  • Palavras-chave: ecologia microbiana, ecologia de Porifera, mudanças climáticas, potencial biotecnológico, metagenoma, metatranscriptoma 
  • Condições ambientais: Baixo hidrodinamismo ;  Água clara ;   
  • Área necessária no laboratório: Uma bancada suficiente para 2-3 pessoas trabalharem e pia. 
  • Equipamentos de laboratório: Geladeira, freezer (caso seja possível ultrafreezer também) e centrífuga para tubos de 2 ml. 
  • Será necessário: Colocação ou fundeio de alguma estrutura no mar ;  Auxílio técnico para manutenção de estruturas ou material biológico na ausência dos participantes do projeto ;  Auxílio técnico para coleta de organismos ou observações de campo ;  Utilização de embarcação do CEBIMar ;   

  • Outros serviços de laboratório: Irei precisar de informações complementares dos locais de amostragens como profundidade de coleta, coordenada geográfica, temperatura da água. 
  • Organismos a serem coletados: Esponjas marinhas: Aplysina caissara, Aplysina fulva, Axinella corrugata, Chelonaplysilla erecta, Cinachyrella alloclada, Dragmacidon reticulatum, Dysidea etheria, Geodia corticostylifera, Mycale angu 
  • Locais para coleta: Costa do Navio (Guaecá e Prainha), Cabelo Gordo, Baleeiro, Ilha Toque-Toque face sul, Ponta do Jarobá, Ponta Recife e Ilha das Cabras. 
  • Tipos de resíduos químicos e/ou infectantes a serem gerados durante o projeto: Paraformaldeído (resíduo químico). 
  • Quantidade de cada tipo de resíduo: Aproximandamente 100 mL.
  • Periodicidade aproximada da geração dos resíduo: no máximo 4 vezes por ano.
  • Instituição(ções) de origem do projeto:

    • Unesp. Outro órgão  Campus do Litoral Paulista, São Vicente 
     
  • Participante(s) do projeto:

    • Nome: Virginia Carrara  
    • Função no projeto: Graduando 
    • Início das atividades no projeto: 01/09/2018  
    • Fim das atividades no projeto: 31/07/2019  
     
  • Recurso(s) destinado(s) ao projeto:

    • Situação: Concedido 
    • Agência de fomento: Fapesp 
    • Tipo de recurso: Auxílio á pesquisa 
    • Especificar o tipo de recurso: O auxílio Jovem Pesquisador possui verba para equipamentos, consumíveis e serviços. 
    • Recursos em nome de: Cristiane Cassiolato Pires Hardoim 
     

    Produção(ões) bibliográfica(s) gerada(s) pelo projeto:

    Total de produções bibliográficas: 0


  • Data de cadastro do projeto: 19/12/2018  
  • Data da última modificação: 29/04/2019  

          

            Notícias

    

                  

Rodovia Manoel Hypólito do Rego, km. 131,5 - Pitangueiras - São Sebastião - SP - Brasil - CEP 11612-109 e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.             
Joomla 1.6 Templates designed by Joomla Hosting Reviews